Logística e Transporte

Aumento no transporte de cabotagem no país reflete no número de incidentes com embarcações

Assim como os navios, embarcações de apoio a operações marítimas e fluviais estão sujeitas a colisões e outros acidentes. Saiba mais.
Aumento no transporte de cabotagem no país reflete no número de incidentes com embarcações

Segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), o Brasil tem hoje quase cinco mil embarcações de apoio à operação portuária, distribuídas em 37 portos públicos no País.

São rebocadores, balsas e lanchas de praticagem, entre outros, que dão suporte a um mercado crescente de transporte de cargas e que este ano, com cerca de 20 leilões de arrendamento previstos de áreas portuárias e R$ 3,5 bilhões em investimentos, devem trazer mais produtividade ao setor.

Assim como os navios, estejam eles em operações marítimas ou fluviais – o agronegócio tem impulsionado cada vez mais essa movimentação no interior do País –, esses tipos de embarcação estão sujeitos a colisões e outros acidentes – seja com outras embarcações em operação os terminais, píeres ou equipamentos portuários – com danos aos cascos, equipamentos instalados nas embarcações e possíveis naufrágios, por motivos variados, como o que aconteceu recentemente com um rebocador na Bacia de Campos (RJ).

Isso sem falar em acidentes ambientais, causados pelo derramamento da carga em rios e na costa. O responsável pela área de Riscos para Transportes da AIG, Martin Molla, acredita que a intensificação de transporte de cabotagem no País pode refletir no número de ocorrências com essas embarcações. “Hoje o principal modal utilizado no Brasil não é o marítimo / fluvial, mas, cada vez mais, as empresas de transporte têm optado por ele pelos menores riscos e custos envolvidos e, com o aumento das exportações brasileiras, a tendência é aumentar ainda mais a escolha por este modal.

Daí a necessidade de se estar atento e não se esquecer de proteger o próprio patrimônio e de terceiros envolvidos em possíveis incidentes”, alerta. Mateus Silva, especialista em riscos para operações marítimas da companhia seguradora, lembra que esse mercado náutico, que normalmente passa de pai para filho, é bem estruturado e os investimentos em proteção são baixos, se comparados a outros países que contam com intempéries como tornados e maremotos.

“É possível fazer o seguro do casco, que inclui a proteção do motor, um dos itens mais caros de uma embarcação; o de proteção e indenização, que cobre colisões, morte do marinheiro e incidentes que causam poluição; e ainda o de responsabilidade civil, com cobertura de terceiros”, explica. “Dificilmente ocorre um acidente por inexperiência dos marinheiros, porque a indústria brasileira é muito boa nesse sentido, mas acidentes ocorrem por motivos variados e, apesar de raras, perdas totais em uma embarcação não são impossíveis de ocorrer”, finaliza Silva.

Quer saber mais sobre os seguros da AIG para as embarcações de apoio? Entre em contato com o seu corretor de seguros ou fale com os especialistas da AIG!