Pequenas e Médias Empresas

Gerenciamento de riscos: o que é e como implementar?

Compreender quais são os riscos é fundamental para o sucesso de qualquer negócio
5 de abril de 2022
Gerenciamento de riscos: o que é e como implementar?

Em qualquer negócio, um bom planejamento é fundamental para o sucesso. E isso inclui estar preparado para eventuais imprevistos que podem surgir no dia a dia. Para isso, é importante que as empresas tenham um plano de gerenciamento de riscos implantado, periodicamente monitorado e comunicado para toda a organização.

Porém, muitas empresas, independentemente do porte ou segmento, acabam não dando a devida atenção para o gerenciamento de riscos, o que as deixa mais vulneráveis a prejuízos em caso de algum incidente. Por isso, contar com o auxílio de um especialista na hora de fazer esse tipo de planejamento pode ser fundamental para evitar danos futuros.

Para começar, vale contextualizar:

O que é gerenciamento de riscos?

O gerenciamento de riscos é composto por diversas ações e estratégias preventivas adotadas com o intuito de minimizar os efeitos de eventuais incidentes que podem ocorrer no dia a dia da empresa, com a finalidade de mitigar os riscos e preservar o patrimônio da companhia.

Quais são os tipos de riscos?

Pessoa lendo um contrato de riscos.

Existem diversos tipos de riscos envolvidos na operação de qualquer empresa. Conheça alguns dos principais:

Risco operacional

Em geral, o risco operacional é toda e qualquer ameaça que possa alterar ou afetar o padrão de qualidade estabelecido pela organização, como por exemplo falhas internas, seja na estrutura, produtos, insumos, pessoas, entre outros, que podem impactar negativamente na reputação da empresa.

Risco ambiental

O risco ambiental está presente nos mais diversos segmentos da indústria (química, petroquímica, têxtil, papel e celulose, entre outros) e também no setor de serviços, como hospitais, hotéis e resorts. Mesmo operações aparentemente mais simples podem oferecer riscos ambientais, como por exemplo um prédio comercial, que normalmente possui em seu subsolo um tanque de estocagem de combustível para geração de energia e pode ter um problema em caso de vazamento.

Risco tributário

O risco tributário pode ocorrer quando a organização descumpre leis e regulamentos fiscais, correndo o risco de sofrer penalidades graves. Por isso, gestores de empresas devem estar sempre atentos a isso, pois correm o risco de sofrer prejuízos até mesmo em seu patrimônio pessoal.

Risco reputacional

O risco reputacional pode acontecer de diversas maneiras, seja por meio de eventos internos ou externos, que vão desde uma ação da organização ou funcionário que possa prejudicar e manchar a sua reputação no mercado e na mídia, até a divulgação de notícias que afetem negativamente à empresa, como fraudes.

Como implementar e realizar um bom planejamento de riscos?

Para implementar e realizar um bom planejamento de riscos, é necessário ressaltar alguns pontos importantes para que tudo saia como o programado:

Duas pessoas trabalhando juntas num planejamento.

1- Planejamento

Inicialmente, é fundamental estabelecer como o gerenciamento de riscos será executado, definindo quais serão as ferramentas e metodologias utilizadas e como ele será efetivamente realizado. Este é o momento de planejar e revisar as ações para corrigir qualquer dificuldade que possa surgir durante a aplicação da gestão dos riscos.

2- Identificar os riscos

O segundo passo é pensar, mapear e avaliar todas as informações para identificar quais riscos podem afetar a sua organização. Analisar todo o histórico da empresa e seus dados é fundamental neste momento para qualificar os antigos e novos riscos.

3- Análise qualitativa

Analisar os riscos de forma qualitativa é importante para classificar o plano e seus efeitos, seguindo uma ordem de prioridade. Recomenda-se realizar uma entrevista em grupo, onde os participantes analisam e identificam os riscos e seus impactos para a empresa.

4- Análise quantitativa

Nesta etapa, os dados são trabalhados para identificar os potenciais riscos e suas consequências à empresa. Outro ponto importante é saber determinar como priorizar os riscos através de probabilidade e impacto. Ou seja, qual a probabilidade do risco se materializar e qual a dimensão do impacto causado por ele.

5- Planejar respostas e posicionamentos

Saber o que dizer e como se posicionar é fundamental para uma organização. Isso é feito a partir de estratégias e planos de ações para cada possível risco e varia conforme a realidade de cada empresa.

6- Monitoramento

Depois de definir quais serão as ações executadas, é fundamental gerenciar a sua execução e continuar monitorando os riscos, seja através de relatórios, sistemas e metas previamente estabelecidas. Esses indicadores podem ser importantes na hora de tomar uma decisão.

Como os seguros podem auxiliar na gestão de riscos?

Uma pessoa apontando uma cadeado digital.

Contar com a proteção de um seguro é fundamental para uma gestão de riscos realmente eficiente. Afinal, mesmo com um bom planejamento, as empresas sempre estarão sujeitas a imprevistos que podem prejudicar os negócios.

A AIG é referência global em seguros de diferentes segmentos e voltados para empresas de todos os portes. Conheça abaixo alguns deles que podem contribuir com a gestão de riscos da sua empresa:

Responsabilidade Civil Geral

A Responsabilidade Civil Geral oferece coberturas* contra diversos tipos de prejuízos e danos que uma empresa está sujeita, desde modalidades básicas a seguros combinados, que contemplam o universo de atuação corporativo. Vale para indústrias, escritórios e lojas, entre outros. Entre as principais coberturas estão os danos materiais, corporais, morais e estéticos causados a terceiros, decorrentes de um acidente onde a responsabilidade pode ser atribuída ao segurado.

RC Profissional

A Responsabilidade Civil profissional protege a empresa e os seus profissionais contra reclamações apresentadas por perdas financeiras resultantes dos serviços prestados aos clientes. Este seguro da AIG possui uma cobertura* que oferece amparo para cobrir os custos de defesa em ações judiciais e outros danos que possam ser indenizados, proporcionando a tranquilidade necessária para a execução de serviços.

Seguro D&O

É uma modalidade de seguro que visa garantir a tranquilidade e proteção para executivos e administradores de empresas. Diretores e administradores possuem grandes responsabilidades na gestão de empresas, podendo ser responsabilizados por seus atos de gestão. Mundialmente, a lei prevê a responsabilização, civil ou criminal, de diretores e administradores que causaram danos durante a sua gestão na empresa. Porém, a questão é bem mais complexa do que parece e envolve diversos fatores.

Por isso, empresas e executivos devem estar cada vez mais atentos a isso para se proteger de eventuais problemas. Para auxiliar na prevenção desses riscos, existe o seguro de D&O, garantindo cobertura* para processos judiciais, administrativos ou arbitrais relacionados a atos de gestão de executivos.

Seguro Cibernético

O seguro cibernético é um protecional adicional às empresas, uma apólice que visa amparar perdas financeiras decorrentes de ataques virtuais maliciosos, ou mesmo de incidentes decorrentes de erros ou negligências causados internamente na companhia, que resultem em vazamento de dados e outros danos ligados ao sigilo da informação. A AIG foi pioneira, sendo a primeira seguradora a oferecer o seguro de responsabilidade cibernética no Brasil, o CyberEdge®, em 2012.

Seguro Ambiental

O seguro ambiental oferece proteção contra possíveis incidentes em operações comerciais, industriais, infraestrutura, transporte, obras e prestação de serviços. O produto abrange desde os custos de limpeza até a investigação e monitoramento do local afetado, trazendo proteção por danos ao meio ambiente e a terceiros.

Portanto, independentemente do ramo de atuação da sua empresa, os seguros e especialistas da AIG podem auxiliar na proteção e no gerenciamento de riscos para garantir a continuidade dos negócios.

*Todas as coberturas dependem de análise e sempre deve ser levado em consideração as coberturas contratadas, bem como os limites e excludentes das Condições Gerais de cada produto.

Leia mais artigos em nosso blog: